Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2012

A descoberta de múmias em Fayoun, Egipto, Euronews, 26 de Abril de 2009

publicado por historia8alustosa às 18:32
| Comentar

A mumificação no Antigo Egipto

publicado por historia8alustosa às 18:31
| Comentar

Na vida e na morte

O conteúdo perfeitamente conservado do túmulo de Kha dá-nos o exemplo de uma casa cómoda, pois pensava-se que os mortos no Além tinham necessidade dos mesmos objectos que os vivos. Os objectos eram variados e compreendiam cadeiras, camas, bancos e suportes de vasos. Cestos de palha entrelaçada e vasos, com formas e dimensões variadas, serviam para conservar alimentos. Os cofres contêm objectos de toillete, perucas e vestuário.

 

Enciclopédia Larousse Jovem

  1.  Identifica os objectos encontrados no túmulo de Kha.
  2. Explica por que motivo o túmulo de Kha possuía perucas e vestuário.
  3. Por que motivo os Egípcios colocaram um diverso e variado conjunto de objectos nos túmulos.
publicado por historia8alustosa às 18:30
| Comentar

Embalsamento

Quando o morto é levado até aos embalsamadores (...), estes começam por mostrar aos familiares vários modelos de sarcófago. Depois de escolhido o modelo, acordado o preço (...), os embalsamadores, com a ajuda de um ferro recurvado passado pelas narinas, extraem uma parte do cérebro, enquanto a outra é dissolvida por meio de substâncias que infiltram. Em seguida fazem uma incisão lateral e retiram do ventre os intestinos; limpam e purificam o corpo com vinho de palma, perfumes em pó e enchem-no com canela e todas as espécies de perfumes, cosendo a pele. Feito isto, secam o corpo num banho de alcatrão e deixam-no aí mergulhado durante setenta dias.

Passado esse tempo, lavam de novo o corpo e envolvem-no em tiras de linho muito finas impregnadas de goma. Então, o morto é entregue aos seus parentes, que mandam fazer um caixão de madeira, com forma humana, onde o introduzem, e o colocam numa câmara funerária, em pé contra a parede.

 

Heródoto

  1. Relaciona o embalsamento com o culto dos mortos.
publicado por historia8alustosa às 18:29
| Comentar

O julgamento dos mortos

Após ser fechado no túmulo, acreditava-se que o morto iniciava uma viagem no mundo subterrâneo, onde diversos perigos o espreitavam. Para o ajudar, levava consigo O Livro dos Mortos, onde estavam indicadas diversas orações e instruções para ultrapassar os obstáculos. No final desta viagem, o morto era guiado por Anúbis até ao tribunal de Osíris, onde tinha de negar a prática de 42 pecados. Seguia-se o momento decisivo, que consistia na pesagem da alma. Se o coração fosse mais pesado do que uma pena de avestruz (símbolo da justiça e da verdade), aquele poderia aceder à vida eterna. Caso contrário, o coração seria comido e desaparecia.

 

Carlos Rebelo e António Lopes, História 7, Didáctica Editora

 

  1.  Explica de que forma acreditavam os Egípcios na imortalidade.
publicado por historia8alustosa às 18:28
| Comentar | Ver comentários (1)

Os Segredos dos Faraós, National Geographic, 1.ª de 6 partes

publicado por historia8alustosa às 18:27
| Comentar

O acordar do Faraó

 

O acordar do Faraó era uma cerimónia e um espectáculo, a que se admitiam somente as pessoas reais, o vizir (primeiro-ministro), o grande sacerdote, os altos funcionários."Mal acordava, manhã cedo, lia o seu correio, ditava as respostas e, sendo caso disso, convocava o conselho. Depois de banhar-se, e revestido das insígnias da realeza, oferecia um sacrifício aos deuses (...).

Entravam o barbeiro, a manicura e o pedicuro. O rei era lavado, untado, perfumado.

Na cabeça, de cabelo curto, punha uma peruca. Dessas cabeleiras postiças tinha grande variedade, e mudava de cabeleira conforme as ocasiões. Sobre ela usava um diadema ou uma coroa (...). Da peruca pendia, dando volta à cara, uma barba postiça, quando em trajo de festa.

Uma tanga mais rica e de forma diferente das das outras pessoas, constituía o essencial do vestuário. Ao pescoço, vários colares preciosos, de que pendia um peitoral; nos braços e pernas, pulseiras. Às vezes, vestia sobre tudo isso uma túnica leve e transparente, de mangas curtas . Os pés descalços, ou calçados de ricas sandálias.

 

 

Pierre Montet, A Vida Quotidiana no Egipto no tempo de Ramsés

 

  1. Identifica a civilização a que se refere o autor do texto.
  2. Localiza no tempo esta civilização.
  3. Explica o papel do faraó na sociedade egípcia.
  4. Descreve as primeiras tarefas realizadas pelo faraó ao acordar.
  5. Identifica o personagem a que o faraó ditava as respostas ao correio.
  6. Refere o nome da escrita usada pelos egípcios.
  7. Refere o nome de alguns deuses a quem o faraó podia oferecer um sacrifício.
  8. Justifica o tratamento a que estava sujeito o faraó.
  9. Retira do texto uma frase que reflicta a importância do momento em que o faraó acordava.
  10. Enumera as várias peças que constituíam o traje do faraó.
  11. Relaciona os hábitos de higiene do faraó com os que praticas diariamente.
  12. Refere o significado da barba postiça usada pelo faraó.
publicado por historia8alustosa às 18:26
| Comentar

O Faraó, BBC

publicado por historia8alustosa às 18:25
| Comentar

O povo e o Faraó

Quéope obrigava todo o povo a trabalhar para si. Uns eram forçados a tirar as enormes pedras das pedreiras nos montes da Arábia, outros colhiam essas mesmas pedras e levavam-nas até aos montes da Líbia. Nesse trabalho empregava-se uma equipa de cem mil operários, que se renovava cada três meses. O povo extenuou-se assim durante dez anos para construir a calçada e as câmaras subterrâneas que Quéope fez construir como sepultura. A construção da própria pirâmide durou vinte anos.

 

Hérodoto

  1. Como vivia o povo egípcio?
publicado por historia8alustosa às 18:24
| Comentar

Privilegiados e não-privilegiados

Os egípcios pagavam impostos ao seu rei o qual desempenhava importantes funções. Fazia as leis para que todos os egípcios vivessem em paz e, ajudado pelos seus nobres, zelava pelo seu bom cumprimento. Também dirigia o exército, protegendo o vale do Nilo e as tribos nómadas do deserto (...). Em troca, o povo egípcio tinha de sustentar o rei, pagando-lhe, a ele e aos seus funcionários, parte do que cultivavam ou fabricavam. (...)

Mas não era só ao faraó que os egípcios deviam obediência. Era também aos deuses. (...)

Juntos, o rei e os deuses eram os senhores do Egipto. Ao rei serviam os seus nobres, militares e escribas. Aos deuses serviam os sacerdotes e seus escribas. (...) Os egípcios acreditavam nos deuses e no faraó e trabalhavam para eles.

 

Trevor Cairns, Los Inícios de la Civilización

 

  1.  Quais eram os poderes do faraó?
  2. Como se distinguiam os privilegiados e os não-privilegiados na sociedade egípcia.
publicado por historia8alustosa às 18:23
| Comentar | Ver comentários (2)

O fabrico de papiro

publicado por historia8alustosa às 18:22
| Comentar

As condições de vida dos camponeses egípcios

Disseram-me que queres pôr de parte as letras e te voltas para o trabalho do campo (...). Não te recordas da condição do lavrador, quando vêm cobrar o imposto sobre a colheita? Os vermes levaram-lhe a metade do grão e o hipopótamo comeu o que restava. Caem os gafanhotos, a passarada pilha (...). Que calamidade para o camponês! O que ainda possa ficar na eira roubam-no os ladrões. A junta de bois morreu a puxar o arado. E, agora, o escriba chega ao porto para taxar a colheita. Traz com ele guardadas armas de varas. (...) E dizem: «Dá-nos o grão!» Mas ele já não o tem (...). Então batem no camponês, estendido no chão. Carregam-no de correntes e lançam-no no fosso; ele mergulha na água e chafurda, de cabeça para baixo (...). O escriba está acima de todos. O que trabalha escrevendo não sofre impostos, não tem obrigações a pagar. Lembra-te disto.

 

 

 

Sátira dos Ofícios

 

  1. Refere quais as dificuldades que sofriam os camponeses.
publicado por historia8alustosa às 18:21
| Comentar

A Fertilidade do Nilo, BBC

publicado por historia8alustosa às 18:20
| Comentar

Lições n.ºs 25 e 26

Sumário:

  • A sociedade egípcia e as suas manifestações religiosas e artísticas.

Aprendizagens e competências a desenvolver:

  • Levantamento de conhecimentos prévios e/ou ideias tácitas sobre os conceitos de civilização; poder sacralizado; politeísmo e sociedade estratificada.
  • Observação e análise de mapas sobre as civilizações dos Grandes Rios.
  • Leitura e interpretação de textos sobre as atividades económicas dos Egípcios.
  • Visionamento de um excerto do documentário "A Fertilidade do Nilo".
  • Resolução dos exercícios da página 37 do manual.
  • Leitura e interpretação de textos sobre a sociedade egípcia.
  • Observação e análise da pirâmide social egípcia.
  • Resolução dos exercícios da página 39.
  • Leitura e análise de texto sobre as áreas científicas desenvolvidas pelos Egípcios.
  • Leitura e análise textos sobre os deuses egípcios e a prática da mumificação.
  • Observação e análise de imagens dos deuses egípcios.
  • Resolução dos exercícios da página 41.
  • Observação e análise de uma representação do Tribunal de Osíris.
  • Observação e análise de imagens do túmulo de Nefertari, do sarcófago de Tutankamon e das Pirâmides de Gizé.

O que deves conseguir fazer no final da(s) aula(s):

  • Relacionar as condições naturais com o desenvolvimento de uma economia de excedentes das primeiras civilizações.
  • Explicar a importância do rio Nilo para os Egípcios.
  • Indicar as principais actividades económicas praticadas pelos Egípcios.
  • Descrever a organização política e a estratificação social egípcia.
  • Distinguir os privilegiados e os não-privilegiados na sociedade egípcia.
  • Referir os poderes do faraó.
  • Conhecer os cultos praticados pelos Egípcios.

Orientações para o teu estudo:

publicado por historia8alustosa às 17:47
| Comentar

Critérios Específicos de Correção do Teste de Avaliação

publicado por historia8alustosa às 16:57
| Comentar

Agrupamento de Escolas de Lousada Norte

Pesquisar

 

Junho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Posts recentes

Objetivos para o trabalho...

Como fazer uma apresentaç...

Objetivos para o teste de...

A nobreza

O Clero na época medieval...

A Sociedade Senhorial nos...

Os muçulmanos, por Márcia...

Objetivos para o teste de...

Lições n.ºs 62 e 63

O islamismo, Canal Histór...

Os muçulmanos na Penínsul...

Os Vikings, Canal Históri...

O Último Viking, John McT...

As invasões entre os sécu...

As incursões vinquingues

A formação dos reinos bár...

A Última Legião, Doug Lef...

As tribos germânicas, BBC

A Queda do Império Romano...

As invasões bárbaras nos ...

Divisão do Império Romano...

Lições n.ºs 78 e 79

O Cristianismo, por Ana S...

O Cristianismo, por Diogo...

Biografia de Jesus Cristo...

O Império Romano nos sécu...

Cristianismo: origem e di...

As perseguições religiosa...

A mensagem do Cristianism...

Lições n.ºs 48 e 49

Roma: ascensão e queda de...

O nascimento de Roma, Nat...

Arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Ligações